Figueira de Castelo Rodrigo com orçamento de 12,5 milhões de euros para 2020

A Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo aprovou um orçamento para 2020 de 12,5 milhões de euros, que é inferior em 300 mil euros ao de este ano e que mantém apostas no setor social.

O orçamento do município de Figueira de Castelo Rodrigo, presidido por Paulo Langrouva (PS), foi aprovado pelo executivo, por maioria, com os votos contra dos dois vereadores do PSD.

“A grande aposta deste orçamento continuará a ser no setor social”, disse hoje o autarca à agência Lusa.

Segundo Paulo Langrouva, no próximo ano o executivo que lidera pretende manter projetos como o Cartão de Saúde Municipal – Figueira Saudável, o programa de Teleassistência, a iniciativa Cegonha Móbil (rede de transportes concelhia) e criar um centro de dia na sede de concelho.

O município vai também implementar o projeto “Farmácias Mais Próximas”, que consistirá na deslocação de técnicos farmacêuticos às freguesias.

“É um projeto inovador. As farmácias vão deslocar os seus técnicos às freguesias para medirem a tensão arterial e a glicemia, por exemplo, e levar medicamentos às pessoas. É uma forma de facilitar a vida dos utentes, porque muitas pessoas são idosas e não têm como se deslocar à sede de concelho para recolherem os medicamentos”, justificou.

O novo projeto contemplará todas as freguesias do concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, situado no distrito da Guarda, junto da fronteira com Espanha.

Em relação a obras, em 2020 o município prevê requalificar a incubadora de empresas, localizada na zona industrial (investimento superior a 280 mil euros), instalar uma zona de lazer na barragem de Santa Maria de Aguiar para “completar a dinâmica turística do concelho” (110 mil euros) e realizar “obras essenciais nas freguesias”.

O autarca socialista indicou que o município tenciona avançar com obras de requalificação de estradas nas freguesias rurais e criar espaços de convívio para os habitantes.

De acordo com Paulo Langrouva, o orçamento camarário é “bastante rigoroso” e traduz uma “forte contenção de despesas”.

“É um orçamento exequível e, como tal, nós [executivo] tentamos ser o mais realistas possível em termos orçamentais”, disse, explicando que a redução de 300 mil euros face a 2019 está relacionado com o facto de algumas obras de maior vulto (como o Centro Interpretativo da Batalha de Castelo Rodrigo) já estarem “praticamente concluídas”.

Os vereadores do PSD votaram contra o orçamento para 2020 por considerarem que “é mais do mesmo” e “praticamente um ‘copy paste’ do [documento] apresentado no ano passado, cujas políticas deram origem a mais retrocesso”.

“Não há arrojo, não há ambição. Não se aposta no futuro. Esquecem-se e desprezam-se os jovens. Continuamos a empobrecer alegremente e na trajetória errada”, referem os eleitos sociais-democratas em comunicado.

O orçamento vai ser votado na próxima reunião da Assembleia Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo.




Conteúdo Recomendado