Equipa de Aeronáutica representa hoje Portugal em competição internacional

O projeto intitula-se PT Explorers e pretende ser uma resposta à crescente procura de capacidade de transferência de dados no mercado de pequenos satélites.

Equipa Spaceway estará em Toulouse, hoje, dia 27, na final internacional da competição promovida pela Agência Espacial Francesa, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Airbus.

Uma equipa formada por quatro estudantes e um diplomado em Engenharia Aeronáutica, da Universidade da Beira Interior (UBI), vai representar Portugal na final internacional do ActInSpace, importante competição de aplicações espaciais. A final da iniciativa, coordenada pela Agência Espacial Francesa, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Airbus, vai decorrer na cidade francesa de Toulouse, na próxima quarta-feira, dia 27 de junho.

O projeto desenvolvido pela equipa Spaceway intitula-se PT Explorers e pretende ser uma resposta à crescente procura de capacidade de transferência de dados no mercado de pequenos satélites.

“Recorrendo ao conceito revolucionário de constelações e aos seus 900 satélites, a plataforma One Web é uma oportunidade única para disponibilizar comunicações por todo o mundo. Ao colocar a payload (ou carga do satélite) da SpaceWay nestes satélites, conseguiremos reduzir o preço das comunicações e permitir aos clientes armazenar os seus preciosos dados a qualquer hora e em qualquer lugar. Fazendo isso, queremos pôr ainda dados de Observação Terrestre acessíveis para toda a gente, explica a equipa constituída por Jorge Monteiro (recém-formado), Luís Estanqueiro (finalista), Kateryna Schvydyuk (2.º ano), João Amorim (3.º ano) e Illya Grytsayev (3.º ano), do Mestrado Integrado em Engenharia Aeronáutica.

A ideia, que pode ser uma mais-valia para diversas entidades – comerciais ou não –, encontra-se altamente desenvolvida. “A payload é simples e a plataforma de transporte é disponibilizada pela própria Airbus para desenvolver aplicações comerciais lucrativas”, explica a equipa da UBI, acrescentando que a concretização física, ou seja, o desenvolvimento de hardware “é uma questão de encontrar financiamento para aproveitar as vantagens e potencialidades únicas que este conceito revolucionário (constelações de satélites) possui”.

Para a final, a equipa da SpaceWay manifesta “fortes certezas” de que representarão Portugal da melhor forma: “O feedback da organização é bastante positivo. E acima de tudo, vamos divertir-nos, vestir a camisola e mostrar que Portugal tem muito para apresentar em Toulouse”.

A SpaceWay nasceu em 2017 por iniciativa dos estudantes da UBI. Tem como missão ajudar ativamente no desenvolvimento do sector espacial português. “Acreditamos que os estudantes desempenham um papel fundamental para que isso aconteça e por isso temos o objetivo de fazer chegar a estes todo o tipo de iniciativas e oportunidades espaciais”, salientam.

A ida à fase decisiva, no Toulouse Space Show 2018, foi alcançada com a vitória nacional, na competição que decorreu em Coimbra, no final de maio. Portugal entrou em prova pela primeira vez e teve a participação de 50 estudantes e empreendedores, a quem foram dadas 24 horas para dar resposta a mais de 80 desafios que implicavam desenvolver soluções inovadoras para negócios terrestres, através do uso de serviços de satélite e tecnologia espacial. A competição teve lugar, em simultâneo, em 70 cidades de 40 países.

Nesta iniciativa, inédita em Portugal, os participantes tiveram 24 horas para desenvolver soluções inovadoras que melhorem a vida na Terra. A equipa portuguesa vencedora vai agora disputar o primeiro lugar na final internacional em Toulouse, França. Com a ajuda de mentores e especialistas, cerca de 50 estudantes e empreendedores tiveram 24 horas para responder aos mais de 80 desafios propostos pela organização de desenvolver soluções inovadoras para negócios terrestres, através do uso de serviços de satélite e tecnologia espacial. É uma iniciativa coordenada pela Agência Espacial Francesa, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Airbus.




Conteúdo Recomendado