Plano Estratégico para a Requalificação de Vilar Formoso em consulta pública

A Câmara Municipal de Almeida tem a decorrer o período de consulta pública do Plano Estratégico para a Requalificação Urbana, Cultural e Turística de Vilar Formoso, elaborado para mitigar os efeitos da ligação a Espanha por autoestrada.

Segundo a autarquia presidida por António José Machado, até ao dia 13 o documento está disponível para consulta e para recolha de “sugestões pertinentes”.

O município de Almeida, no distrito da Guarda, disponibiliza as várias peças do Plano Estratégico para a Requalificação de Vilar Formoso na sua página oficial na internet e aceita sugestões pelo endereço de correio eletrónico da presidência (presidente@cm-almeida.pt).

De acordo com a memória descritiva da proposta da arquiteta Luísa Pacheco Marques, a intervenção sugerida é justificada pela construção da ligação rodoviária por autoestrada entre Vilar Formoso e a fronteira com Espanha (Fuentes de Oñoro).

“Neste momento, com a nova ligação rodoviária prevista entre a [autoestrada] A25 e a A62, vai haver um desvio de trânsito que poderá acarretar mais um problema para a economia local, que já teve um revés muito importante com a abolição das fronteiras (1997). Vilar Formoso tinha uma economia baseada na fronteira e nos passantes que dormiam, comiam e compravam”, lê-se no documento.

A fonte acrescenta que Vilar Formoso, com 2.219 habitantes, “tem vindo a assistir a uma progressiva diminuição populacional” e é necessário inverter a situação.

“Para tal, há que criar em Vilar Formoso e no concelho de Almeida razões para a visita e estadia, e, ainda, atividades que gerem empregos e que levem à instalação de pessoas e, logo, ao aumento da população efetiva e visitante”, é defendido.

O estudo sustenta ainda que Vilar Formoso e o concelho de Almeida “têm de valorizar e divulgar o que têm, tirando partido do turismo e, ao mesmo tempo, reinventar-se com novas oportunidades, resultantes da sua situação de fronteira e da sua identidade”.

No âmbito do Plano Estratégico para a Requalificação Urbana, Cultural e Turística de Vilar Formoso, são propostos vários projetos, a desenvolver em seis fases, como a requalificação do Largo da Estação (onde se encontra o Museu/Centro de Interpretação Vilar Formoso Fronteira da Paz – Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes), a recuperação da Casa Maribel (para funcionar como Musicæ Center – Centro Cultural), a ligação à autoestrada e a requalificação do Parque TIR.

A proposta também contempla, entre outras ações, a ordenação do recinto da feira mensal e a criação de um Centro de Interpretação e Valorização do Património Arqueológico e Natural do Concelho de Almeida, do Núcleo Museológico Ferroviário de Vilar Formoso e do Centro de Interpretação da Fronteira.

O presidente da Câmara Municipal de Almeida, António José Machado, disse hoje à Lusa que a intervenção global prevista para a vila fronteiriça tem “custos estimados à volta de quatro milhões de euros”.

Se o plano autárquico for concretizado em pleno, o autarca admite que a intervenção “revoluciona Vilar Formoso”, porque contempla “a interligação com os equipamentos que já estão a funcionar”.




Conteúdo Recomendado