Crianças vão semear sobreiros, carvalhos e azinheiras em aldeia do Sabugal

A ação denominada “Há Sementes de Esperança na Serra” é promovida pela Junta de Freguesia de Bendada com a colaboração da Câmara Municipal do Sabugal.

As crianças da aldeia da Bendada, no concelho do Sabugal, vão participar, no domingo, numa ação de sementeira de bolotas de carvalhos, sobreiros e azinheiras, em espaços baldios da Serra da Senhora do Castelo.

A ação denominada “Há Sementes de Esperança na Serra” é promovida pela Junta de Freguesia de Bendada com a colaboração da Câmara Municipal do Sabugal.

Segundo a organização, no âmbito da iniciativa, as crianças da Bendada convidam crianças do resto do concelho a realizar a sementeira de bolotas.

A iniciativa decorre no domingo, a partir das 10 horas, e consiste numa caminhada até ao topo da Serra da Senhora do Castelo, onde haverá um almoço convívio depois de terminada a tarefa do lançamento das bolotas à terra.

De acordo com a Junta de Freguesia da Bendada, a ação “Há Sementes de Esperança na Serra”, envolverá “pelo menos 35 crianças (e respetivas famílias)”, de várias localidades do concelho do Sabugal e também de concelhos limítrofes.

A atividade será realizada “sob a orientação do engenheiro florestal Hugo Joia, técnico do município do Sabugal, que vai ficar responsável pela sensibilização e pela informação às crianças sobre as variedades autóctones a semear”.

Segundo a fonte, o mesmo responsável “irá ensinar às crianças as melhores práticas na técnica de colocação das sementes na terra” e “lançará também um apelo aos mais novos sobre a importância da plantação de árvores para regeneração do ciclo de vida na terra”.

“Estamos otimistas quanto ao alcance da iniciativa, não apenas pelas confirmações recebidas de pessoas fora do concelho, como ainda pela receção por parte das escolas”, refere Jorge Dias, presidente da Junta de Freguesia da Bendada, numa nota hoje enviada à agência Lusa.

Relativamente ao impacto ambiental, a vertente mais importante da ação, o autarca considera que é de “extrema relevância”, uma vez que este tipo de iniciativas “acabam por desempenhar um papel absolutamente fundamental na regeneração da biodiversidade”.

Segundo o responsável, “ano após ano, os incêndios dizimaram quase a totalidade da floresta existente na freguesia” e, “devido ao relevo existente (formações rochosas), a plantação não é fácil, o que torna ainda mais morosa a reposição da normalidade”.

No entanto, Jorge Dias explica que a autarquia aposta na “sementeira de espécies autóctones mais resistentes (carvalho, sobreiro e azinheira) para reforçar o nascimento espontâneo que, apesar de tudo, ainda vai sucedendo, embora de forma totalmente arbitrária”.

“Desta forma, pretende-se dar o mote para que, na educação das crianças, seja incutido e fomentado o princípio da solidariedade com a natureza, semeando e plantando árvores, como forma de minimizar e contrariar algumas más práticas humanas – que muitas vezes resultam em incêndios devastadores -, assim como os efeitos nefastos provocados pelas alterações climáticas”, remata.

O município do Sabugal está de “braços dados” com a iniciativa e também vai contribuir com algumas variedades para plantação no âmbito da primeira edição do evento “Há Sementes de Esperança na Serra”.




Conteúdo Recomendado