Centro de Empresas Inovadoras de Castelo Branco recebeu 70 candidaturas em 2 anos

O Centro de Empresas Inovadoras (CEI) de Castelo Branco, recebeu 70 candidaturas em dois anos de existência, sendo que 21 transformaram-se em empresas inovadoras, foi esta quarta-feira anunciado.

“Em dois anos, recebemos [CEI] 70 candidaturas das quais, 50 foram aceites e 21 transformaram-se em empresas no terreno”, disse o diretor executivo do CEI, João Borga.

Este responsável, que falava durante uma sessão comemorativa do segundo aniversário do CEI, explicou que apesar dos dois anos de existência, “o caminho está agora no início”.

“As pessoas, os inovadores e os empreendedores de Castelo Branco têm aderido ao CEI. Essa é a nossa grande vitória”, adiantou.

Em dia de aniversário, João Borga apresentou uma nova ferramenta que, a partir de agora, vai permitir a qualquer empreendedor ou inovador desenvolver o seu modelo e plano de negócio.

O “Rocketplan” é uma plataforma ‘online’, totalmente gratuita, onde qualquer pessoa pode, a partir de uma ideia, desenvolver o seu plano de negócio, sem que para o efeito haja a necessidade de recorrer a outros meios.

A ferramenta disponibiliza toda a informação necessária ao utilizador que apenas precisa de fazer um registo ‘online’.

O CEI disponibiliza também, uma biblioteca com mais de 200 livros técnicos de referência que podem ser consultados pelos empreendedores.

João Borga anunciou ainda que o CEI foi credenciado pelo Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP), como entidade prestadora de apoio técnico para atuar na região da Beira Baixa.

O presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia, sublinhou que o CEI veio mudar o panorama económico e social da cidade e do concelho de Castelo Branco.

“É inquestionável que hoje passa por aqui [CEI] o empreendedorismo da região e também o incentivo à economia”, disse.

O autarca adiantou que o centro constitui um espaço facilitador de novos negócios e empresas.

“O CEI faz parte da nossa estratégia para o desenvolvimento económico do concelho e da região”, concluiu.

O centro foi inaugurado em julho de 2013 e representou um investimento de 3,6 milhões de euros, verba proveniente do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), num pacote total de seis milhões de euros.

Este pacote, além do financiamento desta infraestrutura, incluiu verbas para o Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar (CATAA).

O CEI tem uma área total de 2.500 metros quadrados, uma capacidade para receber 35 empresas, seis oficinas, um auditório de 130 lugares, salas de trabalho e bar.

Apesar de estar aberto a todos os setores de atividade, tem como áreas prioritárias as de base tecnológica e de serviços avançados, preferencialmente no agroalimentar, biotecnologia, tecnologias de informação, comunicação e da climatização.



Conteúdo Recomendado