Celorico da Beira tem orçamento de 22,9 ME

O presidente do município, Carlos Ascensão, disse que as prioridades para este ano são as obras de saneamento básico na sede de concelho e também nas freguesias.

O orçamento do município de Celorico da Beira, no valor de 22,9 milhões de euros, está condicionado pela dívida da autarquia que corresponde a cerca de metade do valor, disse hoje à agência Lusa o seu presidente.

“A Câmara [Municipal] está condicionada por aquilo que é o endividamento que já vem de trás [dos mandatos do PS] e que é avultado”, disse Carlos Ascensão (PSD).

O autarca refere na nota introdutória do documento que o orçamento para este ano prevê “cerca de 12 milhões [de euros] de dívidas a fornecedores (dívida de empréstimos não incluída), dos quais 11.592.671 euros serão financiados pelos empréstimos de saneamento relativas a dívidas anteriores a 2017”.

Segundo Carlos Ascensão, o valor atual da dívida municipal é de 18,5 milhões de euros.

“Estamos sujeitos a um saneamento financeiro, temos um processo de equilíbrio [financeiro] e quando ele estiver devidamente implementado e for aprovado pelo Tribunal de Contas, só em juros vamos pagar anualmente 1,5 milhões de euros”, adiantou.

O autarca disse que este cenário não o “desmobiliza”: “Antes pelo contrário. É um desafio difícil, mas é um desafio que nos mobiliza, que vamos encarar, enfrentar e que vamos vencer”.

Admite que na sua liderança tem pela frente o “desafio do rigor” e “das escolhas com critério” e de a autarquia chegar “a níveis comportáveis de endividamento” que não obriguem a uma dependência “em função daquilo que se deve”.

O orçamento municipal da autarquia de Celorico da Beira regista uma pequena diminuição face ao de 2017, que foi no valor de 23 milhões de euros.

Carlos Ascensão disse à Lusa que nas prioridades para este ano estão obras de saneamento básico na sede de concelho e também nas freguesias.

“Temos candidatadas 12 mini Estações de Tratamento de Águas Residuais para um conjunto de freguesias do concelho”, indicou.
O município também vai fazer uma aposta ao nível da educação, com obras nas escolas do 1.º ciclo do ensino básico de Santa Luzia e de Lageosa do Mondego.

A autarquia de Celorico da Beira, no distrito da Guarda, também dá atenção a obras de reabilitação urbana e a questões relacionadas com o “dia-a-dia das pessoas”.

O orçamento municipal foi aprovado pelo executivo com dois votos favoráveis do PSD, uma abstenção de um vereador do PS e dois votos contra, um do PS e outro do vereador independente (PNT). A Assembleia Municipal aprovou o documento por maioria.

O vereador do PS José Albano Marques, que votou contra, lembra que o documento “apenas passou porque o senhor presidente utilizou o voto de qualidade [a] que tem direito, para desempatar”.

O socialista explicou à Lusa que um dos eleitos do PS votou contra e que o outro se absteve, porque o partido “não concorda” com “o aumento das despesas com pessoal titular de órgãos de soberania e membros de órgãos autárquicos em mais 56,64% relativamente ao orçamento de 2017”.

Segundo José Albano Marques, o PS considera “igualmente inadmissível que este mesmo orçamento não tenha sido discutido, partilhado e debatido com os presidentes de Junta de Freguesia” que “tão bem conhecem as reais necessidades das suas freguesias e suas gentes”.




Conteúdo Recomendado