Carlos Rodrigues poderá ser o próximo presidente da ULS da Guarda

O professor universitário e gestor Carlos Rodrigues é nesta altura uma forte possibilidade para suceder a Vasco Lino na presidência da Unidade Local de Saúde da Guarda, apurou a Rádio.

A escolha de Paulo Macedo poderá assim recair sobre o coordenador da licenciatura de Gestão em Saúde da Universidade Atlântica.

Carlos Rodrigues tem 63 anos, é natural das Caldas da Rainha e vive atualmente em Lisboa.

É doutorado em gestão pelo ISCTE, com especializações em gestão pública, gestão empresarial e organização de recursos humanos.

Teve longa carreira na administração pública, onde iniciou funções de dirigente em 1993 como subdiretor de Agricultura do Ribatejo e Oeste, cargo que ocupou até à mudança de governo, em 1995. O atual presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro era, nessa altura, secretário de Estado da Agricultura, no executivo presidido por Cavaco Silva.

A proximidade de Carlos Rodrigues a Álvaro Amaro prosseguiu no campo académico. Foram ambos autores de um estudo sobre  «A emergência do Estado Relacional e a necessidade de uma nova gestão pública», publicado numa revista da Universidade Independente (onde o agora autarca da Guarda foi professor e dirigiu o curso de Administração Regional e Autárquica).

Depois de uma passagem pela direção de recursos humanos da empresa Lactogal, no Porto, Carlos Rodrigues voltaria a funções públicas em 1997, como assessor na Fundação para a Ciência e Tecnologia. Em 1999 foi nomeado, pelo ministério da Cultura do governo de António Guterres, vice-presidente do Instituto do Cinema, do Audiovisual e Multimédia.

Nova mudança de governo ditou a saída, em 2002, mas com Pedro Santana Lopes como primeiro-ministro Carlos Rodrigues seria chamado às funções de chefe de gabinete do secretário de Estado da Agricultura.

No governo de José Sócrates a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, nomeou-o, em 2005, subdiretor-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.

É professor universitário desde 1998, em áreas tão diversas como o marketing público, a gestão autárquica, o desenvolvimento regional e a gestão de organizações.

É presentemente coordenador da licenciatura de Gestão em Saúde na Universidade Atlântica, em Lisboa.

Independentemente desta escolha, o que é certo é que o atual presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde da Guarda, Vasco Lino, não será reconduzido no cargo. Ao que a Rádio apurou, o gestor da Covilhã não cumpre os critérios revistos pela Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CRESAP).

A confirmar-se a nomeação do professor universitário, esta poderá ser a única alteração na atual equipa da ULS da Guarda, cujo mandato terminou a 31 de dezembro.

No entanto, não será de excluir a saída da diretora clínica hospitalar, Fernanda Maçoas, que há vários meses colocou o lugar à disposição do ministro da Saúde. Uma das hipóteses poderá ser a acumulação das duas direções clínicas – hospitalar e de cuidados de saúde primários – numa só, a exemplo do que Paulo Macedo tem decidido noutras estruturas. Nesse caso, o médico Gil Barreiros passará a ser o único diretor clínico.

A vogal Flora Moura e o enfermeiro diretor João Marques deverão permanecer nos cargos.




Conteúdo Recomendado