Câmara da Guarda e associação Luzlinar assinam protocolo para criação artística

Será criado um Centro de Investigação multidisciplinar que se instalará na Guarda.

O município da Guarda e a Associação Luzlinar vão assinar um protocolo de cooperação, no âmbito da estratégia da candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027, para promover a investigação multidisciplinar e a criação artística.

Segundo o presidente da autarquia, Carlos Chaves Monteiro, a proposta do protocolo de cooperação com a Associação Luzlinar foi ontem aprovada por maioria na reunião quinzenal do executivo municipal.

O acordo, no âmbito do Projeto ARS – Estrutura de Investigação em Arte e Ciência, vai criar uma unidade, denominada ESCOLA, que visa promover a investigação multidisciplinar e a criação artística nas vertentes das artes visuais, das artes performativas e do cinema, “cruzando-as com as diferentes áreas científicas, num trabalho articulado com a comunidade local, comunidade educativa, estabelecendo assim uma ligação efetiva entre Arte, Educação, Ciência e Cultura”.

“Trata-se de um projeto estruturante de longo prazo, de escala internacional, no âmbito da estratégia da candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura – uma vez que a Associação Luzlinar é parceira cultural da Guarda 2027 – e prevê a conjugação de esforços entre os agentes locais, cientistas e artistas, para o desenvolvimento sustentável do concelho da Guarda”, segundo a autarquia.

A fonte refere que será criado um Centro de Investigação multidisciplinar que se instalará na Guarda, “implementando um conjunto de práticas culturais transgeracionais originando o encontro de gente – com foco na emergência artística e científica – empenhada em pensar, fazer e agir, integrando experiências e conhecimentos em diversas áreas do saber”.

“O Centro de Investigação a ESCOLA desenvolverá um conjunto de práticas culturais transgeracionais no território do concelho, numa espécie de percurso cultural entre os concelhos vizinhos de Belmonte, a caminho dos dois grandes rios da Serra [da Estrela] (Zêzere e Mondego) e Celorico da Beira”, acrescenta.

O município da Guarda indica que “há uma unidade cultural neste contexto geográfico em função das temáticas do projeto, como sejam os lugares da indústria têxtil, as fábricas, os pastores, as ovelhas, toda uma história comum”.

O projeto, que irá ter um espaço galeria na cidade, compreende quatro macrolaboratórios: Ação Artística, Ciências Ambientais, Filosofia Social e Políticas de Desenvolvimento (aos quais correspondem os respetivos vetores: Estações Bucólicas, Experiência da Floresta, Habitantes da Montanha e o Fio da Sustentabilidade).

“Este último vetor será um laboratório exclusivamente reservado a práticas sustentáveis e ao uso inteligente dos recursos naturais, que se poderá articular com iniciativas estruturantes de outras entidades”, é referido.

Entre outras ações inovadoras, merece destaque a criação dos projetos operacionais ‘O Fio da Sustentabilidade’ e o ‘Projeto Bosque – Silvicultura próxima da natureza’.

A assinatura do protocolo entre o município da Guarda e a Associação Luzlinar, entre outros fatores, “reforçará a identidade local e regional através da valorização de tradições e do envolvimento da(s) comunidade(s)”.



Conteúdo Recomendado