Burel veste primeiro tablet da Microsoft

Representação da multinacional tecnológica em Portugal escolheu tecido típico da Serra da Estrela para cobrir o recém-lançado Surface. “Burel for Surface”, assim se chama o projeto que irá vestir o novo tablet da Microsoft com o tecido típico da Serra da Estrela. O conceito foi apresentado na semana passada, em Lisboa, pela filial portuguesa da […]

Representação da multinacional tecnológica em Portugal escolheu tecido típico da Serra da Estrela para cobrir o recém-lançado Surface.
“Burel for Surface”, assim se chama o projeto que irá vestir o novo tablet da Microsoft com o tecido típico da Serra da Estrela. O conceito foi apresentado na semana passada, em Lisboa, pela filial portuguesa da multinacional tecnológica e conta com a assinatura de três designers nacionais. Já o tecido será produzido na Burel Factory, sediada em Manteigas. Isabel Dias da Costa referiu ao jornal O INTERIOR que este projeto é «um motivo de orgulho e um excelente cartão-de-visita» para uma empresa «ainda recente». «É uma certificação de qualidade que uma empresa como a Microsoft confie em nós para produzir e assinar as peças», acrescenta. A responsável destaca também que o burel é «um tecido 100 por cento em lã, forte, resistente e impermeável», que se «adequa ao uso diário» e que proporcionará «uma excelente proteção para o telemóvel, mas sendo simultaneamente uma peça bonita e com design atrativo». As capas, que serão trabalhadas à mão e estarão disponíveis em três variedades, serão ainda «uma forma de ligar a portugalidade e a tradição à tecnologia e inovação», acrescenta a empresária. Isabel Dias da Costa revela que a oportunidade de trabalhar com a Microsoft surgiu no ano passado, quando a empresa encomendou a decoração do seu novo escritório no Parque das Nações e que assenta no «revestimento de paredes com burel bordado», depois de descobrir «a decoração da nossa loja em Lisboa». «Para além de constituir uma boa decoração, é um material isolante, acústico e térmico», refere a responsável, adiantando que nessa obra foram aplicados «2.500 metros de tecido e 1.400 metros quadrados de burel bordado». Já para o projeto “Burel for Surface”, Isabel Dias da Costa diz que «ainda não há números definidos», mas vai adiantando que se trata de «uma obra significativa». Numa fase inicial, as capas poderão ser adquiridas na loja da Burel Factory no Chiado e na loja online do projeto, com preços entre os 40 e 75 euros. Já num futuro próximo serão vendidas em todos os países onde o Surface será comercializado. A marca Burel Factory surgiu há cerca de quatro anos e está ligada à Casa das Penhas Douradas, hotel de charme de quatro estrelas inaugurado em 2006. Isabel Dias da Costa adianta que este mês assinalará o surgimento de uma nova linha de produção no grupo, ligada aos fios e lanifícios, «por forma a continuar a recuperar uma parte do património da região». A nova unidade aproveitará o espólio e os ex-trabalhadores da fábrica de lanifícios Império, em Manteigas, e vai «aliar a tradição a novos padrões e texturas», com os olhos postos na exportação.



Conteúdo Recomendado