Banco Alimentar Contra a Fome da Cova da Beira recolheu mais de 33 toneladas de alimentos este fim de semana

Banco Alimentar Contra a Fome

Os números representam um aumento de 1.748 quilos em relação ao período homólogo do ano passado.

Durante este fim de semana, o Banco Alimentar Contra a Fome da Cova da Beira (BACB) recolheu 33 mil 616 quilos de alimentos. Os números representam um aumento de 1.748 quilos em relação ao período homólogo do ano passado, sendo que o presidente da direção do banco faz uma avaliação muito positiva do trabalho desenvolvido durante os dias

“Estou muito satisfeito. Da visita que fiz a vários pontos de recolha dá-nos muito ânimo vermos pessoas a dar com gosto, ouvirmos as histórias de quem já foi ajudado e agora pode dar ou de quem percebe esta causa. Temos muito a agradecer aos 700 voluntários que colaboraram”, refere o presidente do BACB.

De acordo com o responsável, são cerca de 1.500 famílias que vão ser ajudadas. Temos todo género de situações desde pessoas que vivem, sozinhas até agregados familiares numerosos. A ideia fundamental é que a ajuda chegue a quem precise, embora seja pouco. O trabalho vai continuar, mesmo fora das campanhas, para arranjarmos melhores dias a quem não esteja a passar uma melhor fase seja por que razão for. Estamos cá é para isso”, sustenta.

Para hoje está agendada a distribuição a cerca de 30 instituições que vão começar a receber alimentos “estamos também a atentar angariar alimentos de outras fontes, por exemplo batatas, para podermos entregar”, explica Paulo Pinheiro.

O presidente da Banco Alimentar Contar a Fome da Cova da Beira revelou, em entrevista à Rádio Cova da Beira (RCB), que na primavera de 2018, na campanha de 2 e 3 de junho, o BACB alarga a sua área de abrangência a mais um concelho a norte

“Será o concelho de Mêda. Uma equipa mobilizou-se e recebemos garantias que vão poder funcionar. Temos aqui uma responsabilidade complicada já que estamos na Covilhã, mas somos o Banco Alimentar do Interior mais a Norte e custa-nos saber que há muita gente que ainda está fora desta rede”, conclui.



Conteúdo Recomendado