Autarca da Covilhã defende associação para desenvolvimento do regadio da Cova da Beira

http://www.gazetadointerior.pt/noticias/29-janeiro-2014/concelhos/covilha/v%C3%ADtor-pereira-quer-uma-covilh%C3%A3-diferente-da-que-encontrou.aspx

O presidente da Câmara da Covilhã sugeriu neste sábado a criação de uma associação de desenvolvimento para o regadio da Cova da Beira e apelou à união de todos os municípios abrangidos pela infraestrutura.

Vítor Pereira, que falava durante um debate sobre o regadio promovido pela Rádio Cova da Beira, em Salgueiro, no Fundão, disse também que na área abrangida pelo regadio “75% das explorações possuem uma área inferior a três hectares e ocupam cerca de 22% da superfície agrícola utilizada”. Segundo o autarca, o emparcelamento continua a ser um problema, já que a dispersão parcelar e os terrenos para actividade agrícola são insuficientes. Por isso, defendeu, o Estado tem “um papel importante a desempenhar”, nomeadamente na criação de bolsas de terras”. Presente no debate, o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, referiu que o regadio da Cova da Beira chegou com um atraso de 50 anos, apesar de o considerar como o maior investimento público feito na região. “Falar do regadio para a Câmara do Fundão é falar daquilo que de mais importante temos para a criação de riqueza” na região, pois trata-se do “investimento público mais significativo que aqui foi feito”, com mais de 300 milhões de euros de investimento, afirmou. Paulo Fernandes sublinhou ainda que se está “perante um quadro enorme de oportunidades”, mas recordou que o distanciamento entre o início e o fim da sua construção “já está a criar alguns problemas de manutenção”, sobretudo nos primeiros blocos construídos. O regadio da Cova da Beira representa um investimento global de cerca de 322 milhões de euros, abrangendo 12.360 hectares de terrenos.




Conteúdo Recomendado