Município da Guarda disponível para acolher Museu Nacional da Emigração

A Câmara Municipal da Guarda mostrou-se disponível para acolher o Museu Nacional da Emigração, proposto pelo PS ao Governo, numa altura em que está em discussão o projeto do Quarteirão das Artes.

O presidente da autarquia, Álvaro Amaro (PSD/CDS-PP), disse esta segunda-feira na reunião quinzenal do executivo que o deputado socialista Paulo Pisco, eleito pelo círculo da emigração, propôs ao Governo que promova a criação de um Museu Nacional da Emigração, ideia que considera “feliz”.

O autarca louvou a iniciativa e disse que, estando em discussão o futuro Quarteirão das Artes, que prevê a criação do Museu da Cidade, o município da Guarda está “em boas condições” para se associar “a esta ideia”.

“Ora, tendo sido esta cidade, capital de distrito, sangrada pela emigração (…), nós temos que estar na linha da frente a reclamar o Museu Nacional da Emigração”, justificou Álvaro Amaro, indicando que irá escrever à Assembleia da República, ao deputado Paulo Pisco e ao Governo, a dar conta da disponibilidade da câmara para acolher o novo projeto.

Em sua opinião, a ideia tem possibilidades de ser atendida, uma vez que o distrito da Guarda foi, “senão o mais sangrado, um dos mais sangrados” pelo fenómeno da emigração. Por isso, “é de elementar justiça” a Guarda reclamar este projeto.

“Queria que o Governo do meu país (…) não tenha a tentação de fazer mais um Museu Nacional da Emigração no Terreiro do Paço [em Lisboa] ou ali perto”, desejou o responsável, considerando que os territórios do interior “têm direito” a ter projetos nacionais.

Os dois vereadores do PS, Joaquim Carreira e Graça Cabral, associaram-se à ambição da maioria que lidera os destinos do município da Guarda e dão-lhe “todo” o seu apoio.

Joaquim Carreira disse que os eleitos socialistas estão “completamente” de acordo com a ideia e, a concretizar-se, podia “contribuir para o desenvolvimento regional”.

O deputado socialista Paulo Pisco, eleito pelo círculo da emigração, recomendou na sexta-feira ao executivo de António Costa que “desenvolva os estudos e articule uma estratégia integrada entre os serviços do Estado, das regiões autónomas e das autarquias locais que conduza à promoção da criação de um Museu Nacional da Emigração”.

“A criação deste museu, abarcando de forma o mais abrangente possível todos os períodos migratórios, deve ter como objetivo estratégico dignificar e valorizar os portugueses de todas as épocas e gerações, independentemente das razões por que o fizeram”, acrescenta o projeto de resolução.

O PS pretende também que o parlamento recomende ao Governo o reforço da presença nos currículos escolares, no nível secundário, da história da emigração portuguesa, “de forma integrada e nas suas várias dimensões”.

A resolução sobre o museu baixou à comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, e a do ensino será discutida na comissão de Educação e Ciência, e, em ambos os casos, em articulação com a comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.



Conteúdo Recomendado