Arte na Garagem de São João deu prejuízo

Durante três dias, a Garagem de São João, na Covilhã, voltou a ganhar vida, durante a segunda edição do Expand Your Mind, movimento dinamizado por alunos da Universidade da Beira interior que pretende explorar várias formas de arte em interação com os espaços devolutos que ocupam.

Depois de uma antiga fábrica de lanifícios ter sido o espaço escolhido o ano passado, o desafio para este ano era ambicioso: fazer de 30 mil metros quadrados da emblemática garagem uma fusão das mais variadas disciplinas artísticas. A comunidade artística, não apenas da região como alguns convidados nacionais e internacionais, aderiu, envolveu-se e surpreendeu. Já as 1500 pessoas que durante os dias 1,2 e 3 de maio visitaram a mostra, ficaram abaixo do número de visitantes esperados.

Com apoios essencialmente logísticos, a organização terminou o evento com uma dívida a rondar os quatro mil euros, que Bruno Cunha, coordenador de operações do Expand Your Mind, não sabe como vai ser saldada.

“Precisamos de ajuda. É o que digo a toda a gente. Ou a Covilhã nos ajuda, ou vai perder o Expand Your Mind”, avisa Bruno Cunha. “Depois de todo o esforço que fizemos, durante nove meses, ainda vamos ficar com uma dívida tão grande”, lamenta o promotor do evento.

Para além do aspeto financeiro, a mostra, a que Bruno Cunha já chamou uma “caldeirada de artes”, foi “extremamente positiva a todos os níveis”. Os responsáveis não estavam à espera que os visitantes manifestassem tanta surpresa pelo que encontraram. “Dizem-nos que com lixo fizemos tesouros”, conta.

“O passo de provar que somos fortes e criativos, já foi dado. O próximo em nada depende de nós. Vamos ficar parados à espera de um feedbak da população e das entidades. Ou nos ajudam, ou o EYM vai morrer”, informa Bruno Cunha, uma das cerca de 130 pessoas envolvidas na organização do evento




Conteúdo Recomendado