Antigo vice-reitor do Seminário do Fundão está sob vigilância eletrónica

Após dois anos e meio privado de liberdade, como não havia ainda uma condenação transitada em julgado, teve de ser libertado.

O padre Luís Mendes, 39 anos, está desde ontem em liberdade, mas uma fonte da Diocese da Guarda garante que não irá sair da Casa de Ação Católica, onde estava obrigado a permanecer sob vigilância eletrónica. Condenado recentemente pelo Tribunal de Castelo Branco a dez anos de cadeia, o ex-vice-reitor do Seminário do Fundão viu expirar o prazo máximo da medida de coação. Após dois anos e meio privado de liberdade, como não havia ainda uma condenação transitada em julgado, teve de ser libertado.
O antigo vice-reitor do Seminário do Fundão foi condenado por ter abusado sexualmente de cinco alunos desta instituição, entre 2011 e 2012, e coagido sexualmente, em 2008, um aluno do Externato de Nossa Senhora dos Remédios, no Tortosendo, Covilhã. Desde ontem, pode sair livremente da Casa de Ação Católica, na Guarda.
O técnico da Direção-Geral de Reinserção Social chegou pouco depois das 08h30 e esteve no local até à hora de almoço. Mas não havia sinal do padre. “Não se deixou ver nem vai sair”, adianta uma fonte da diocese ligada ao processo. “Durante a tarde, recebeu a mãe e o irmão e vai continuar a viver nesta casa”, acrescentou. A casa, no coração da cidade, serve como residência de sacerdotes e local de atendimento dos serviços paroquiais. D. Manuel Felício, Bispo da Diocese da Guarda, e Inácio Vilar, advogado de defesa, recusaram comentar o caso. Contudo, a mesma fonte refere que a espera “só o prejudica, porque o tempo que ainda vai ter de esperar em liberdade não conta como pena”.




Conteúdo Recomendado