Álvaro Amaro anuncia criação de Centro de Tecnologia e Inovação na Guarda

O autarca pretende que no futuro Centro de Tecnologia e Inovação “se produza formação com investigação, mas tudo isso com ligação ao mercado de trabalho”.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, disse ontem, na tomada de posse do executivo, que no novo mandato criará um Centro de Tecnologia e Inovação que terá o nome do cientista Carvalho Rodrigues.

“Quero aqui hoje anunciar perante todos vós que vamos criar na Guarda o Centro de Tecnologia e Inovação a que daremos o nome de Carvalho Rodrigues e cuja sede será algures no centro histórico”, afirmou o autarca social-democrata no primeiro discurso após a instalação do executivo da Câmara da Guarda, composto por cinco eleitos do PSD e dois do PS.

O autarca, que inicia o seu segundo mandato, após vencer as eleições autárquicas de 01 de outubro, disse que a autarquia atribuirá ao novo projeto o nome do cientista Fernando Carvalho Rodrigues, que hoje cessou as funções de presidente da Assembleia Municipal da Guarda, mas que a decisão “não é nenhuma homenagem”.

Justificou tratar-se de um “reconhecimento” e também de um desafio que será partilhado com o Instituto Politécnico da Guarda, com a Universidade da Beira Interior (Covilhã) e com as empresas.

“Por isso, é um desafio para nós e um desafio para o senhor professor Carvalho Rodrigues. É em si, em primeiro lugar, que peço a ajuda para dar corpo ao que será nosso, da Guarda, da Comunidade Intermunicipal [das Beiras e Serra da Estrela], mas do país, mas com o seu nome”, disse, dirigindo-se a Carvalho Rodrigues.

Álvaro Amaro pretende que no futuro Centro de Tecnologia e Inovação “se produza formação com investigação, mas tudo isso com ligação ao mercado de trabalho”.

“Queremos a Guarda orgulhosa dos cinco efes, do seu ar, das suas gentes, mas cada vez mais a atrair jovens e a poder fixá-los. Queremos a Guarda a fazer jus à sua rica história e à sua cultura e, por isso, daremos corpo ao novo museu da cidade. Queremos a Guarda a projetar-se cada vez mais com as riquezas da sua terra (…) e cada vez mais transfronteiriça”, acrescentou.

Disse também que nos próximos quatro anos quer a Guarda “com mais embaixadores a captarem investimento e investidores a dinamizarem o emprego”.

“Em suma, queremos uma cidade e um concelho cada vez mais orgulhoso de si próprio e com a autoestima das suas gentes cada vez mais em alta”, rematou.

No seu discurso, o autarca social-democrata prometeu que a Guarda conhecerá nos próximos quatro anos políticas de apoio à economia e ao emprego, políticas de requalificação urbana e ambiental, políticas de apoio às instituições sociais, sem nunca esquecer “o notável papel” das associações.

No domínio da organização interna da Câmara Municipal revelou que “haverá alterações em nome dos bons princípios da eficiência” e será criada uma nova estrutura orgânica que contemplará um gabinete “ainda mais preparado para captação de investimento e apoio aos empreendedores” e para “absorver fundos comunitários”.

Será ainda criado um Departamento de Administração Geral e serão internalizados os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento para “rentabilização de recursos humanos e materiais”.




Conteúdo Recomendado