Aldeia Viçosa recebe o tradicional Magusto da Velha

A Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa vai organizar mais uma vez o seu Magusto da Velha, no dia a seguir ao Natal.

O “Magusto da Velha”, que remonta ao século XVII, é revivido anualmente no dia 26 de dezembro, na localidade de Aldeia Viçosa, localidade situada a cerca de 15 quilómetros da cidade da Guarda.

As atividades começam pelas 14h30, com uma missa, na igreja matriz, pela alma da “velha” e por António Martins, único Soldado nascido em Porco, hoje Aldeia Viçosa, no concelho da Guarda e morto na 1ª Guerra Mundial, no dia 16 de junho de 1917.

Pelas 15 horas, o grupo HEREDITAS irá dramatizar cenas do medieval da freguesia, tal como a atribuição da Carta de Foro à Villa de Santa Maria de Porco, em 1238, no reinado de Dom Sancho II, e o Testamento estabelecido pela Velha com o povo.

No espaço do evento será possível saborear o único vinho certificado e premiado do concelho da Guarda, o vinho da Quinta do Ministro.

Ao longo da tarde, não faltará animação com música popular e toda a dinâmica do Magusto: castanhas, rebuçados, vinho, música, teatro, cortejo, Madeiro do Natal, torradas em azeite, sinos a rebate, entre outras iniciativas. O atual executivo da Junta de Freguesia tem também trazido ao evento o pão torrado e mergulhado no melhor azeite do mundo, o azeite de Aldeia Viçosa.

A história da tradição de Aldeia Viçosa, mencionada no livro “Livro de Usos e Costumes desta Igreja do Lugar de Porco”, do Padre António Soares Meirelles, conta que foram lavradas escrituras com o gesto desta Velha, em que esta estabelece um compromisso com a Igreja local: “Tem obrigação de dar (…) cinco meios de castanha e cinco alqueires de vinho pela alma de uma velha que deixou noventa e seis alqueires de centeio a esta Igreja impostos na Quinta do Lagar de Azeite para que com esta castanha e vinho se fizesse no mesmo dia um magusto e todos dele comessem e rezassem na Igreja um Padre Nosso pela sua alma”.

Desde então, o povo tem organizado esta festa que recorda o gesto benemérito de quem deu de comer aos pobres em plena época medieval, uma época caracterizada por fomes, guerras e doenças. São comprados 150 Kg de castanhas que são atirados do alto da torre da Igreja Matriz, única classificada como Interesse Público do concelho da Guarda.

O Magusto da Velha é organizado pela Junta de Freguesia e conta com os apoios da Câmara Municipal da Guarda e das Associações da freguesia.

A Freguesia pretende candidatar esta tradição com cerca de 500 anos a Património Imaterial, pois considera “um contributo fundamental ao grande projeto de todos nós que é a candidatura “Guarda, Capital Europeia da Cultura””.

 

 

PROGRAMA

14H30 – Celebração da Missa pelas almas da Velha e do único Soldado, nascido em Porco, morto na 1ª Guerra Mundial. Homenagem ao soldado António Martins.

15H – Dramatização pelo grupo de teatro Hereditas;

                – Recordação da Carta de Foro atribuída à Villa de Santa Maria de Porco em 1268 pelo Bispo de Viseu Dom Egas;

                – Testamento deixado pela Velha, registado em 1698 no Livro de Usos e Costumes, pelo Padre António Meireles.

15H15 – Início do cortejo animado que transportará as castanhas, os rebuçados e o vinho. Reacendimento do Madeiro de Natal;

15H30 – Lançamento das Castanhas,

                Cavaladas no “cavalódromo”,

                Serviço de vinho da Quinta do Ministro,

                Serviço de torradas embebidas no melhor azeite do mundo,

                Animação musical de rua.

 




Conteúdo Recomendado