Ajudar jovens no Fundão que não estudam nem trabalham

A estratégia do Município já terá permitido reconverter cerca de 300 jovens que não encontravam saídas profissionais nas suas áreas de formação.

Pelo menos 220 mil jovens portugueses, com menos de 34 anos, não estudam, nem trabalham e na Região Centro calcula-se que sejam mais de 35 mil os que se encontram nessa mesma situação. E do total nacional, cerca de 80 mil frequentaram o sistema de ensino apenas nove anos, tendo por isso baixas competências escolares. Chamam-lhe “jovens desencorajados” para que sobre eles não recaia qualquer espécie de estigma.

Os números foram divulgados, na semana passada, no Fundão pelo coordenador nacional do Programa “Garantia Jovem”, estratégia nacional que pretende desenvolver políticas públicas para atrair aqueles jovens, sendo coordenada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), numa estratégia que o Município do Fundão vai integrar como parceiro, sendo o primeiro da Beira Interior a ser desafiado para o efeito.

Segundo o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, a estratégia do Município já terá permitido reconverter cerca de 300 jovens que não encontravam saídas profissionais nas suas áreas de formação e que adquiriram competências na área das tecnologias, encontrando no Fundão “novos caminhos”.




Conteúdo Recomendado