Agricultores exigem medidas adequadas contra a seca prolongada

A Associação Distrital de Agricultores de Castelo Branco (ADACB) anunciou esta segunda-feira que a seca prolongada “exige urgentemente” a tomada de medidas adequadas e considera “manifestamente insuficientes” as medidas anunciadas pela tutela.

Em comunicado enviado esta segunda-feira, a associação reforça que “a seca prolongada está a afetar gravemente os agricultores e exige urgentemente medidas adequadas”.

“As recentes medidas anunciadas pela ministra da Agricultura são manifestamente insuficientes, porque não passam de medidas recorrentes”, explica no documento o presidente da associação, Mesquita Milheiro.

Este responsável adianta ainda que todos os anos é frequente o pagamento das ajudas da União Europeia (UE) ser antecipado, pelo que “as medidas agora avançadas pelo Governo são incapazes de minimizar os prejuízos sofridos pela seca”.

Os agricultores reafirmam ainda um conjunto de exigências, como seja a concretização do regadio a sul da Serra da Gardunha, apoios a fundo perdido, isenção temporária da taxa de recursos hídricos e do pagamento das contribuições para a segurança social dos pequenos e médios agricultores.

A ajuda à eletricidade verde, as medidas de apoio com incidência fiscal e a criação de linhas especiais de crédito a longo prazo, altamente bonificado, são outras das medidas enunciadas no documento.

“Sem a implementação destas medidas, os agricultores têm grandes dificuldades em manter a sua atividade e de garantir o bem-estar e saúde animal”, lê-se no documento.



Conteúdo Recomendado