Aeródromo de Castelo Branco prepara-se para outros “voos”

A implementação do Serviço de Informação de Voo permitirá alcançar outro tipo atividade como o de táxi aéreo.

A implementação do Serviço de Informação de Voo permitirá alcançar outro tipo atividade como o de táxi aéreo. Aeródromo de Castelo Branco é utilizado pelas duas principais escolas de aviação civil do país, a Nortavia e a G Air.

A 15 metros do solo, da Torre do Controlo do Aeródromo Municipal de Castelo Branco tem-se uma visão a 360 graus que permite avistar ao longe a aproximação de qualquer meio aéreo. A última estrutura que complementa o aeródromo inaugurado em agosto de 2013 vai ser inaugurada no domingo, 8 de abril e irá reforçar a competitividade daquele recinto dentro do espaço aéreo nacional e até europeu.

A torre, cujo topo é envidraçado, é o centro nevrálgico da atividade aeronáutica: permite o controlo de tráfego aéreo nas proximidades deste aeródromo. Equipada com os meios adequados às necessidades do tráfego, poderá, no futuro, executar o controlo de aproximação, controlar as movimentações no solo, prestar serviço de informação de voo e serviço de alertas.

Escreve-se “poderá” porque não o pode fazer ainda. A torre de controlo ainda não tem os meios tecnológicos (rádio) que permitam assumir essa função para todas as aeronaves em voo no espaço aéreo (cerca de 50 quilómetros) deste aeródromo classificado como de classe II (tipologia do aeródromo semelhante ao de Viseu, Ponte de Sor, Bragança ou Évora).




Conteúdo Recomendado