Mutualista Covilhanense vence Prémio da Fundação CEPSA

Criar um Gabinete de Apoio ao Familiar e Doente de Alzheimer, de abrangência concelhia, inédito na região, e testar um sapato inteligente capaz de localizar um paciente em tempo real são as grandes apostas do projeto, a implementar ainda este ano.

Com um novo projeto”Horizonte das Demências”, a Mutualista Covilhanense venceu um dos prémios ao Valor Social, atribuídos anualmente pela Fundação Cepsa nas zonas geográficas de Portugal, Gibraltar, Canárias, Madrid, Huelva, Colômbia e Brasil. O projeto foi um dos quatro escolhidos entre 73 candidaturas nacionais e recebe um apoio de 12 mil euros.

“Sentimo-nos muito honrados e motivados com esta distinção, preponderante para nos ajudar a melhorar a qualidade de vida de centenas de pessoas que sofrem de doença de Alzheimer no concelho da Covilhã, bem como dos seus familiares e cuidadores, através de um projeto pioneiro na nossa zona”, afirma o presidente da Direção, Nelson Silva.

O Gabinete de Apoio ao Familiar e Doente de Alzheimer pretende dar uma resposta técnica pluridisciplinar a cuidadores formais e informais de portadores da doença, com recurso a técnicos da área da Sociologia, Psicologia, Medicina, Enfermagem e Farmacêutica. O gabinete será complementado com uma sala snoezelen, espaço que a associação já dispõe e que vai agora equipar.

“Paralelamente, através de uma parceria com o Departamento de Informática da Universidade da Beira Interior, iremos testar e validar novas aplicações no âmbito das demências, entre as quais um sapato inteligente”, adianta Nelson Silva. Trata-se de um sapato com um sistema GPS e um cartão GSM, capaz de localizar o seu utilizador em tempo real, desenvolvido pelo grupo de investigação Next Generation Network and Application (NetGNA), afeto ao Instituto das Telecomunicações.

O projeto “No Horizonte das Demências” beneficiará pelo menos 1.300 pessoas no concelho da Covilhã. “Este é um projeto que envolve vários setores da instituição, desde a Farmácia Social à Unidade Móvel de Saúde, passando pelo próprio Centro Clínico e pelas valências de apoio à 3ª idade, que são a Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, o Centro de Dia e o Serviço de Apoio Domiciliário”, refere Nelson Silva.

De acordo com aquele responsável, “está previsto realizar um diagnóstico social concelhio no sentido de dar a conhecer a realidade da doença”. Entre as várias ações planeadas destaque ainda para a criação de grupos de voluntários para a prestação de serviços aos doentes de Alzheimer.

Para além da Mutualista Covilhanense, venceram os Prémios ao Valor Social 2016 em Portugal a APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, o CPR – Conselho Português para os Refugiados, ambos com sede em Lisboa, e a Associação Quinta Essência, em Sintra.



Artigos Relacionados / Pub