Empresa de Desenvolvimento Mineiro investe 2,5 ME nas minas de Gouveia

A Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM) vai investir cerca de 2,5 milhões de euros na requalificação e recuperação ambiental das áreas de três antigas minas do concelho de Gouveia, foi hoje anunciado.

O auto de consignação da empreitada será assinado no sábado, pelas 12 horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Gouveia, numa cerimónia que será presidida pelo secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

O município de Gouveia, presidido por Luís Tadeu, refere em nota hoje enviada à agência Lusa que no âmbito da empreitada será feita a recuperação ambiental das antigas áreas mineiras de Castelejo, Formiga e Vale de Videira, naquele concelho da região da Serra da Estrela, no distrito da Guarda.

Na mesma ocasião será ainda assinado um acordo de parceria, entre a autarquia de Gouveia e a EDM, “que visa o aproveitamento e a valorização do potencial cultural, turístico, geológico e mineiro dos territórios das antigas áreas mineiras existentes no concelho de Gouveia”.

Segundo a fonte, “trata-se de um grande projeto de requalificação daquilo que antigamente foi fonte de rendimento para muitas famílias”.

Na área mineira do Castelejo, onde serão depositados materiais das escombreiras envolventes, confinamento do depósito após impermeabilização, selagem e recuperação paisagística, vai ser criado um espelho de água onde será construída uma plataforma de pesca e de observação, adianta.

Na antiga mina de Formiga serão removidas as escombreiras e solos contaminados, seguindo-se a recuperação paisagística de toda a área mineira.

Por fim, na zona mineira de Vale de Videira, a intervenção contempla a remoção de escombreiras e de solos contaminados, a recuperação e a integração paisagística do local, segundo a autarquia.

A fonte refere que a empreitada está englobada na recuperação ambiental das antigas áreas mineiras dos concelhos de Gouveia e Fornos de Algodres (distrito da Guarda) e de Mangualde (Viseu), adjudicada à empresa Conduril – Engenharia S.A., pelo valor global de 2,9 milhões de euros, com o prazo de execução de um ano.

A intervenção da EDM desenvolve-se ao abrigo do contrato de concessão que o Estado lhe outorgou, com exclusivo, para a recuperação ambiental das áreas mineiras degradadas e as obras serão financiadas por fundos europeus, mediante candidatura aprovada pelo programa Operacional Sustentabilidade e Uso Eficiente dos Recursos (POSEUR).

As áreas que vão ser intervencionadas pela EDM levaram recentemente o deputado socialista Santinho Pacheco a questionar o Governo, através da Assembleia da República, sobre a sua reabilitação ambiental.

No documento, o deputado lembrava que é do conhecimento público e dos departamentos governamentais que existem na região do Alto Mondego, designadamente nos concelhos de Gouveia e de Fornos de Algodres, “um conjunto de antigas minas cuja reabilitação ambiental há muito devia ter acontecido”.



Artigos Relacionados / Pub